Home | C. H. Spurgeon | Log out

Venha para o Metropolitan Tabernacle

SpurgeonTv

sábado, 1 de maio de 2010

Admiração bendita – (Sermão) – C. H. Spurgeon

/ On : 14:13/ SOLA SCRIPTURA - Se você crê somente naquilo que gosta no evangelho e rejeita o que não gosta, não é no Evangelho que você crê,mas, sim, em si mesmo - AGOSTINHO.

Noite de Domingo, 13 de Junho de 1870

"Ao ouvir isso, Jesus admirou-se e disse aos que o seguiam:
'Digo-lhes a verdade: Não encontrei em Israel ninguém
com tamanha fé" (Mateus 8.10).

Iniciamos com a observação de que não há relato de Jesus se admirar diante da arquitetura gigantesca do templo, nem diante da disciplina maravilhosa do exército romano, nem diante do conhecimento profundo dos rabinos. Ele só se admirou duas vezes (segundo os registros), e nessas duas ocasiões se admirou com relação à fé, uma vez diante de sua ausência e outra vez diante de sua presença. No caso do qual passamos a falar agora. Ele se admirou diante da incredulidade dos seus concidadãos; na narrativa que temos aqui, ele se admirou diante da fé do centurião. A partir disso, aprendemos que não devemos ficar tão ocupados com as maravilhas da ciência e da arte, ou até mesmo com as maravilhas da criação e da providência, a ponto de nos tornarmos indiferentes para as maravilhas da graça. Estas devem ocupar o lugar supremo na nossa estima. As sete maravilhas do mundo de nada valem ao serem comparadas com as inúmeras maravilhas da graça. Quem não admira as obras de Deus na natureza é estulto; quem não segue com temor reverente a atuação de Deus na história é frívolo; e ainda mais tolo quem despreza as obras-primas da perícia e sabedoria que podem ser vistas no império da graça. No reino de Deus, o sábio fica admirado só uma vez na vida, ou seja, sempre; os tolos não pensam assim, mas eles estão destituídos do entendimento. O museu da graça é mais do que aquele da natureza. Um coração partido por causa da graça é uma maravilha muito maior do que o fóssil mais raro, por mais que este conte a respeito das inundações antigas ou das convulsões da terra. Um olho que brilha com as lágrimas do arrependimento é uma maravilha muito maior do que as cataratas do Niágara ou das nascentes do Nilo. A fé que humildemente se vincula a Cristo possui uma beleza tão grande como o arco-íris, e uma confiança que olha somente para Jesus, e assim irradia a alma, é tanto um objeto para a admiração quanto é o sol quando brilha na sua força. Não falem das pirâmides, do Colosso, da casa dourada de Nero, nem do templo em Éfeso, pois o templo vivo da igreja de Deus é muito mais belo. Que outros se gloriem nas maravilhas que viram, mas a mim cabe dizer ao meu Senhor: "Eu te louvarei, porque tu tens feito coisas maravilhosas. Teu amor por mim foi maravilhoso. Certamente, me lembrarei das tuas maravilhas desde tempos antigos."

Considerem bem a obra de Deus no coração humano; considerem bem a fé que se acha no início e no alicerce da vida espiritual, e vocês terão boas razões para a admiração quanto o Salvador tinha quando se maravilhou diante da fé do centurião. O motivo específico da admiração talvez não seja o mesmo, mas toda a fé tem em si elementos admiráveis, e pode, como seu autor divino, ser chamada de "maravilhosa".
Vou falar do que era tão notável na fé do centurião e farei observações práticas; e se ainda sobrarem alguns fragmentos para serem recolhidos, tentaremos, de novo, aplicá-los no mesmo estilo da aplicação pessoal.

I. O que havia, pois, na fé do centurião que fosse tão notável que Cristo se admirasse diante dela? Acho que o primeiro aspecto foi que tamanha fé se encontrasse em semelhante pessoa.

O Senhor parecia subentender esse fato quando disse: "Não encontrei em Israel ninguém com tamanha fé"; como se talvez esperasse achá-la em Israel, entre um povo instruído, entre um povo ao qual os oráculos tinham sido confiados, mas ele não esperava encontrá-la num gentio, num romano, num soldado, em alguém que, segundo parecia, era um objeto improvável para as influências espirituais. A partir daí, entendo que a fé mais admirável e aceitável pode ser exercida pelas pessoas mais improváveis. Aqui temos um gentio que crê, um gentio que crê muito melhor do que alguém da descendência de Israel. A rica graça, portanto, trouxe quem estava bem longe para a plena bênção do reino. Aqui temos um soldado que crê, um soldado romano que crê no Senhor. Os soldados romanos na Judéia não eram assim como são os nossos exércitos, que guardam e protegem as lareiras e as famílias. Pelo contrário, eram servidores de tiranos, que tripudiavam as liberdades do povo judaico, e, naturalmente, muito detestáveis para os judeus; e, apesar de tudo isso, embora a profissão dos soldados naqueles dias fosse a opressão, e seu salário fosse o despojo, aqui temos um soldado que crê em Jesus Cristo; e, para aumentar a maravilha, esse legionário crente não era meramente um soldado comum, mas ocupava uma posição de responsabilidade, e assim era digno de considerável grau de honra e de respeito. Ai de nós, porque as honras deste mundo raras vezes ajudam na fé. Quando um homem recebe honrarias dos demais homens, é frequente ele achar impossível receber o evangelho como uma criança. E todas essas honrarias se encontravam no centurião, mas, apesar disso, ele era, não somente um crente, mas também um crente exímio, a ponto de ser uma maravilha, de modo que Cristo se maravilhasse da fé que ele tinha.

Meus caros amigos, mesmo se acontecesse com vocês, no seu corpo e na sua mente, estar nas circunstâncias mais improváveis para serem convertidos e se tornarem cristão, nem por isso consigo pensar no que poderia impedi-los de serem convertidos dessa forma, caso o Senhor abençoe a palavra. Se foram criados totalmente à parte das influências da religião, não deixem de se lembrar que o centurião também foi criado assim, porém ele se tornou um crente exemplar. E por que vocês não poderão ser igual a ele? Embora o terreno do seu coração nunca tenha sido lavrado e permaneça como o solo virgem da floresta primitiva, meu Senhor poderá receber uma colheita graciosa do coração de vocês, daqui a não muitos dias, quando a aragem da lei e da semeadura do evangelho forem experimentadas em vocês, pois ele, por meio do seu toque gracioso, pode transformar um campo estéril em campo frutífero. Embora vocês se sintam tão devastados como o urzal, não precisam se desesperar. Embora se sintam agora tão destituídos de orvalho quanto o monte Gilboa, o Senhor pode regá-los tão abundantemente quanto o próprio Hermom. A mulher estéril ainda cuidará do seu lar, e a desolada se regozijará com seus filhos. A morte da natureza pode ainda ceder diante da vida do Espírito.

Talvez você tenha uma profissão que é inimizade contra a religião, mas nem por isso fique desesperado. Nada impede o Mestre de chamar você pela sua graça e constrangê-lo a deixar essa profissão, assim como Mateus deixou a coletoria de impostos; ou, de outra maneira, mediante o poder da graça dentro de você, ele poderá capacitá-lo a exercer a sua profissão sem pecado? É possível que você nunca tenha lido a Bíblia - por que você não deve começar? É possível que tenha sido descrente da Bíblia, porém existem tantos argumentos em favor dela - não pretendo preocupá-lo com eles neste exato momento -, mas existem entre eles argumentos vivos que talvez possam convencê-lo antes que fique bem consciente de que parte do seu preconceito está sendo removida, pois alguns entre nós provamos a palavra da vida, lideramos com ela e somos testemunhas do poder que acompanha o evangelho. Nós mesmos somos testemunhas vivas daquilo que o evangelho pode fazer ao soprar paz para dentro da alma, e na remoção do pecado, e não vejo porque você não possa prová-lo e se regozijar nele, e até mesmo concorrer bem com outras pessoas na corrida da graça. Aquele latoeiro que jogava bilhar aos domingos, no relvado de Elstow, não parecia ser um homem provável para escrever "O peregrino", porém João Bunyan o conseguiu. Aquele marinheiro blasfemo que foi lançado para a praia de uma colônia para o comércio de escravos, no litoral da África, onde também foi escravizado, não tinha a aparência de se tornar ministro da piedade evangélica, cujo nome passaria a ser tão doce e cheio de sabor para as gerações posteriores - mas assim era João Newton. Não há motivo, por causa das trevas do passado, para o futuro não ser brilhante, porque há Alguém que pode apagar o pecado e deixar de lado a transgressão e a iniquidade. Por mais hostil que a sua natureza seja contra o evangelho e contra a verdade espiritual, há poder em Jesus Cristo para transformar essa natureza e para levar você, a pessoa mais improvável, a se tornar um líder no arraial de Jesus, um troféu poderoso da sua graça soberana. Está escrito: "Fizme acessível aos que não perguntavam por mim; fui achado pelos que não me procuravam" (Is 65.1). "Chamarei de 'meu povo' os que não eram meu povo, e de 'amada', aquela que não era amada." Por certo, os anjos se regozijaram quando ouviram o legionário romano dizer: "Dize apenas uma palavra, e o meu servo será curado." Por certo, os discípulos, ao se reunirem ao redor do Mestre, disseram uns aos outros: "Que obra estranha da graça é esta, que leva esse soldado a ficar em pé aqui e falar melhor do que qualquer um de nós a respeito da verdade e do poder do Senhor Jesus!" Oro para ver alguns nesse lugar se tornar troféus igualmente notáveis do poder de Deus. Certamente espero ver, em todo o nosso país, as pessoas mais improváveis convertidas. Será soada a grande trombeta, e grandes pecadores descobrirão que chegou o dia da sua redenção. Desde o leste até ao oeste, as pessoas muito distantes se reunião para a grande festa do amor, ao passo que a igreja, atônita, exclamará: "Estes, onde eles estiveram?" A igreja não poderia ter imaginado que Saulo de Tarso, que antes perseguia a igreja, tivesse se tornado seu apóstolo principal, porém assim aconteceu, e assim será sempre enquanto o Rei se sentar no seu trono. Ele ainda descerá e selecionará entre as fileiras do inimigo os soldados mais valentes, e os obrigará a se curvar diante da divina majestade, e depois ele os alistará debaixo do seu próprio estandarte, e os enviará conquistando e para conquistar. A presa será tirada dos poderosos, e o cativo pela lei será liberto. A graça ainda superabundará onde o pecado abundava. Assim como o presente caso, a maravilha da graça será tanto mais memorável por causa da singularidade da pessoa que dela desfrutar. Que Deus faça de você semelhante pessoa e semelhante maravilha também!

II. O próximo aspecto com o qual o Senhor poderia ter se maravilhado foi o objeto em favor de quem o centurião exercia fé.

Ele tinha um empregado que foi atingido pela paralisia. Tratava-se de uma enfermidade que, naqueles tempos, era totalmente incurável. No caso do referido empregado, a enfermidade estava fortemente agravada, pois ele estava "em terrível sofrimento". O enfraquecimento da sua constituição, na batalha com sua paralisia, provocava agonia incomum. Chegara ao auge, pois ele estava a ponto de morrer; entretanto, embora nunca se ouvira falar de uma cura da paralisia, e embora este fosse um milagre espantoso se chegasse a ser realizado, esse centurião acreditava que Cristo pudesse curar a paralisia e restaurar o empregado à saúde perfeita. Sim, aqui havia fé que pegou na mão uma impossibilidade, e a jogou para o lado; fé que sabia que todas as coisas eram possíveis com um Salvador onipotente; fé que via em Cristo esse Salvador onipotente, e por isso não levantava dúvidas quanto à sua capacidade ou boa vontade.

É esse o tipo de fé que gostaria que todos exercêssemos, meus caros ouvintes. Vou supor, caro amigo, nesta noite, que o seu caso, o seu caso pecaminoso, é semelhante ao caso físico do empregado do centurião. Você acredita que seu pecado é incurável, ou seja, imperdoável. Você também acha que se esse pecado fosse perdoado, você não deixaria de voltar para ele, assim como um cão volta ao seu vômito. Você, portanto, considera seu caso totalmente sem esperança. Oh, não pense assim; não pense assim! Aquele que pode curar a embriaguez que se acha em uma pessoa, ou a tendência à concupiscência que se esconde em outra, consegue expulsar todo e qualquer tipo de pecado, lançá-lo fora com uma só palavra. Não existe transgressão sombria demais para o sangue de Jesus remover a mancha, e não existe propensão ao pecado que seja forte demais para seu Espírito controlar e finalmente destruir. As curas de todos os casos de enfermidade espiritual são possíveis com nosso Senhor. O pecador mais imundo ainda poderá se tornar o santo mais brilhante. Você pode ficar sentado em toda a sua imundície moral, diante das portas do inferno, porém para você é possível ficar em pé, no brilho da santidade, mas dentro daquelas portas você ainda poderá ser incluído, na perfeição da pureza, com todos os demais que lavaram as suas roupas e as alvejaram no sangue do Cordeiro. A fé do centurião era esta - acreditava que não havia impossibilidades com Cristo, e ele deixou seu empregado paralítico naquelas mãos graciosas e poderosas. E agora, meu amigo, a sua fé, se é para salvá-lo, deve fazer a mesma coisa. Ela precisa entender o pior aspecto do seu caso, mas sem deixar de crer que Cristo pode salvar até às últimas consequências. O seu pecado foi agravado - confesse-o. O seu pecado é imperdoável em si mesmo; a justiça escreve isso com pena de ferro, e nenhuma lágrima de arrependimento ou esforço pela reforma pode apagá-lo. Somente a graça soberana, proveniente do altar do sacrifício expiador, pode pôr fim ao pecado. Confesse tudo isso. Você foi longe demais para ter esperança - confesse esse fato. Sua condição natural é perigosa - confesse esse fato. Descreva o seu caso de modo tão ruim quanto você pode imaginar - e, realmente, ele é assim -, e depois de ter feito isso, diga: "Mas, apesar de tudo, creio que Deus em Cristo Jesus pode me perdoar, e coloco a minha alma culpada ao pé da cruz onde a expiação foi feita pelo pecado; creio que Jesus ali removeu a minha culpa, e que assim tenho paz com Deus." Se você acredita ser um pecador pequeno, e que, por sua culpa ser moderada, Cristo pode salvá-lo, você nada sabe a respeito da salvação; mas se reconhece que seu pecado é grande, hediondo, agravado, merecedor da perdição, você pode vir assim até Jesus e glorificar o seu nome. Se você se reconhece como o principal dos pecadores, porém, crê que ele poderá salvá-lo, e se confia nele para fazer isso, você tem uma fé maravilhosa, fé esta que o levará ao céu. Não é o caso de nos esquecer da culpa do nosso pecado para então confiar em Jesus; mas de nos lembrarmos do nosso pecado com mais vergonha e pesar do que nunca, e, mesmo assim, confiar no sangue purificador de Jesus - isso é fé, essa é a maravilha dos céus. Seja de bom ânimo, ó pecador, se toda a sua confiança repousa no Mediador, a despeito de dez mil vezes dez mil pecados que acusam, você é um homem salvo. Oxalá outros (assim como você) dependessem totalmente do mesmo Salvador que perdoa os pecados! Que o Espírito Eterno os atraia agora a Jesus, e lhes dê a salvação imediata pela fé preciosa num Cristo precioso. A fé é a questão vital, a única coisa necessária, que ela seja operada em você agora! A fé pode remover, sem demora, as dificuldades que lhe atravessam o caminho e traçar para você um caminho reto para a glória, pois a fé opera maravilhas e, para ela, todas as coisas são possíveis:

Ela diz às montanhas, Saiam!
Quando ficam entre Deus e a alma;
Ela enfaixa o coração partido,
E torna sãs as consciências feridas;
Ordena que os pecados, de cor de carmesim
Fiquem imaculadas e brancas como a neve,
E torna tão grande pecador como eu
Tão puro como anjo da luz.

III. Em terceiro lugar: outra maravilha foi a energia da fé desse homem, que o levou a lidar com o caso de modo tão prático.

Ai, ai, da forma vulgariza da que é assumida pela religião da maioria dos homens! Eles a adotam em segunda mão, ou a recortam e a formam à maneira de outra pessoa. Mas esse centurião não era assim. Não sei se ele já chegou a ter um amigo religioso, mas, provavelmente, teve a oportunidade de ver alguns dos Livros da Escrituras, os leu e descobriu que Jesus Cristo era o que professava ser - o Filho de Deus e o Salvador dos homens. Tendo chegado a essa conclusão, confiou imediatamente nele como questão de fato, e não mera questão de profissão de fé; e tendo confiado no Salvador, agiu à altura dessa confiança de modo prático e com bom senso. Sentou-se para pensar e considerou: "Sou um capitão; digo a um soldado 'Vá' e ele vai; digo a outro 'Venha' e ele vem. Mando meu empregado que me atende fazer determinada tarefa, e ele a realiza; ora, esse Jesus Cristo é um comandante muito maior do que eu; todos os poderes da natureza, portanto, forçosamente estão sob seu domínio e controle; bastará a ele falar uma coisa, e ela será feita; se ele mandasse os céus se vestirem de escuridão, eles se vestiriam com o pano de saco, e se ele ordenasse que as nuvens desaparecessem e que o sol brilhasse ou ficasse parado, o sol obediente reconheceria o seu Mestre e renderia a ele homenagem voluntária." O centurião chegou a essa conclusão segundo as melhores regras de argumentação, e sua mente prática fez uso imediato da inferência. Que Jesus pode cumprir a sua vontade com uma palavra é o mínimo que você e eu também devemos inferir, na base da sua natureza e ofício, e fica claro, de conformidade com o seu caráter e com suas promessas, que ele está disposto a exercer esse poder. "Pois bem", disse o centurião, "só preciso ir pedir a ele, e se o coração dele se comove com minha história dolorosa, e ele precisará dizer apenas uma única palavra e, por pior que seja a condição do meu empregado, este será curado imediatamente, e eu serei o patrão feliz de um empregado saudável." Ora, esse raciocínio era excelente. Tratava dos fatos como fatos, e não (como nós fazemos muitas vezes) como se fosse ficção piedosa. Esse soldado piedoso não era apenas um teórico, nem sustentador superficial de um credo impraticável, mas praticante da palavra, que acreditava, de modo genuíno e prático, naquilo que sustentava ser verdadeiro.

Ora, peço a cada um aqui que possa tratar o evangelho como questão da vida diária; tratem-no como questão de fatos, e que ninguém entre vocês trate com ele de modo leviano, nem brinque com ele, nem pense que seja mera sutileza para ser considerada por doutrinários, ou tema de disputa para teoristas que meramente pensam e falam. Peço a vocês que façam da única coisa necessária a primeira e mais genuína atividade da sua vida. Se alguma coisa é real, por certo a salvação eterna deve sê-lo. A sua condição diante de Deus não é assunto para a terra da fantasia; pertence aos afazeres da vida diária dos homens, vida prática e de bom senso. Veja, agora, como está a situação. Você violou a lei de Deus. Você está culpado. Deus precisa castigar você, conforme exige a justiça eterna. Mas o Senhor Jesus entrou no mundo a fim de fornecer um caminho mediante o qual, sem desonra à justiça de Deus, o pecado poderá ser perdoado. Aquele caminho era a substituição. Cristo assumiu o lugar do pecador, foi castigado com o castigo do pecador, e suportou a ira de Deus pelos pecadores. Mas para quais pecadores? Para todos os pecadores? Não, mas para todos quantos nele confiarem. Eu, portanto, sendo culpado, venho a ele e nele confio. Eu tenho boas razões para confiar. Ele é Deus, e ele foi nomeado por Deus para ser propiciação para o pecado. Aquilo que Deus determina e em que Deus se deleita posso aceitar de modo veraz e confiante. Eu o aceito mesmo. Agora confio a Jesus a minha alma. Então, sou salvo. Meu pecado se foi; minha iniquidade cessou de existir; sou uma alma salva. Venha raciocinar assim com você mesmo. Oh, eu oro para que o Espírito Santo ajude você a fazer assim. Seja este o assunto do seu solilóquio: "Se eu fosse onipotente, como Cristo, seria tão fácil remover uma montanha quanto um montículo de terra; e, portanto, é tão fácil para ele remover meus pecados grandes quanto os pecados pequenos de outra pessoa; se existe um fluido universal de limpeza, este pode remover as manchas grandes tanto quanto as manchas pequenas e, portanto, o sangue de Cristo pode lavar meus pecados grandes tanto quanto os pecados menores de outras pessoas. Com um só movimento da mão, a conta é marcada "paga": é tão fácil assinar um recibo de cinquenta mil dólares quanto um recibo de dez centavos; se, pois, Jesus Cristo, que já pagou as dívidas dos crentes, me declara perdoado e absolvido, a transação é feita; ele tem o poder de realizar isso, e confio no mérito do seu sangue expiador. Oxalá você fizesse isso agora! Repito: oxalá você fizesse isso agora! Esses domingos, como passam voando! O seu tempo está se esgotando e, juntamente com o seu tempo, esgotam-se as suas oportunidades para achar a misericórdia! Não parece ter passado muito tempo depois de termos ficado no mais profundo inverno, e agora estamos chegando perto do dia mais longo do verão e, dentro em breve, as asas do tempo nos transportarão de novo para os meses da geada e da neve. Durante quanto tempo vocês vão ficar manquejando entre duas opiniões? Essas demoras vão continuar para sempre? Vocês sempre ouvirão a respeito dessas coisas, mas sem prestar atenção a elas? Peço a vocês, considerando o tempo que voa - e a certeza da morte para cada um de vocês, e a ignorância que têm da hora determinada para a morte -, busquem o Senhor enquanto ele pode ser achado, invoquem-no enquanto ele está perto. Tomem posse da vida eterna; e, assim como o centurião, vocês devem vir e confiar em Cristo para salvá-los; e por mais maravilhosa que seja a sua fé, toda a honra pertencerá a ele, bem como a glória ao seu bendito nome.

IV. Outro aspecto maravilhoso na fé do centurião foi que ele não pediu um sinal.

Muitos dos grandes homens da Antiguidade, quando Deus estava a ponto de cumprir uma promessa, precisavam ser fortalecidos para o serviço, recebendo um sinal. Gideão era um homem de grande fé, porém, precisava que a porção de lã ficasse molhada enquanto tudo em volta estivesse seco e, depois, que ela ficasse seca. Precisava ouvir o sonho do soldado a respeito do pão de cevada que ficava sobre a tenda de Mídia. Queria sinais e maravilhas, senão seu coração teria ficado fraco. Com muitas outras pessoas, o desejo de receber sinais e maravilhas tem sido uma grande barreira contra a fé singela. O centurião, porém, não falou do jeito de Naamã: "Eu estava certo de que ele sairia e moveria a mão sobre o lugar afetado e curaria o paralítico." Não, não precisava que Jesus chegasse à casa e dissesse uma palavra, nem fizesse uma oração, nem sequer tocasse o enfermo com a sua mão. "Não, Senhor", disse ele, "não há necessidade de vires; meu servo está longe, no leito da enfermidade e a ponto de morrer; não precisas fazer o mínimo movimento; dize uma só palavra, e ele será curado. Para ti, a distância não é nada; tua palavra, a uma distância de quilômetros, pode curar tão bem como o teu toque." Mas que grande fé era aquela! O centurião não precisa de nenhum sinal visível, seu olho espiritual vê o invisível, e seu coração está firme, confiando no Senhor. Sua fé inabalável não exige nenhuma muleta. Ele nada exige, mas somente ora para o Mestre falar a palavra. Não acho que ele esperava ouvir o Senhor falar aquela palavra em voz alta, pois em Lucas é descrito, pedindo a Jesus, que nem sequer fale uma palavra quanto "dizer numa palavra". Talvez se lembrasse da linguagem do salmista ao cantar: "Ele enviou a sua palavra e os curou, e os livrou da morte" (Sl 107.20), e ele confiou naquela mesma palavra criadora e onipotente para a restauração do seu empregado.

Agora, irmãos, transfiram essa verdade a vocês mesmos. Peço ao Espírito Santo que muitos aqui tenham a fé que não cobiça sinais e maravilhas. Alguém disse: "Eu poderia acreditar que eu fosse salvo se sentisse alguma obra terrível da lei dentro do meu coração; já ouvi falar a respeito de outros que estavam a ponto de se desesperar, e que sofreram a tentação de se suicidar; e se eu me sentisse da mesma maneira que eles, então, poderia achar que houvesse graça para mim." Ah! Pobre simplório! Você não sabe o que está dizendo. Fique contente em estar livre de coisas terríveis como estas, pois se alguns saíram delas para chegarem a Cristo, receio que alguns tenham sido levados por elas à forca ou a uma morte por suicídio. Não desejem os terrores do inferno, mas aceitem as ternas misericórdias de nosso Deus, pelas quais do alto nos visitará o sol nascente. Horrores e pavores, se vocês os sentissem, não os ajudariam; podem acreditar em mim, que fariam exatamente o inverso. Outro diz: "Não, mas gostaria de ter uma sensação extraordinária; se neste dia o sermão me derrubasse, conforme ouvi falar que alguns o foram nos reavivamentos irlandeses; se eu sentisse alguma emoção física, mental ou espiritual, tal qual nunca experimentei antes, eu diria que era o dedo de Deus." Meu caro ouvinte, para que ser tão tolo? A palavra de Deus diz que, se confiar em Jesus Cristo, você está salvo. A palavra de Deus não basta? Você não quer aceitar a certeza dada por Deus sem determinar uma ou outra condição para seu Salvador cumprir? Alguns entre vocês falam e agem como se o grande Deus devesse fazer o que vocês querem, senão, vocês não vão crer nele. Já conheci pessoas que tinham, no passado, o hábito de doar carnes assadas e outras ofertas aos pobres nas festas do Natal, mas desistiram de fazer isso porque os que vinham receber os presentes queriam selecionar ou colocar defeito. Certa mulher chegou a devolver seu quarto de carne porque queria um pedaço de carne para fazer de panela, e exigia esse pedaço. Não achei estranho quando as pessoas que eram caridosas não tinham licença de fazer o que queriam com aquilo que era delas, e que cessaram de distribuir as esmolas como faziam antes. A razão nos ensina que, quando recebemos benefícios, não devemos ditar ordens aos nossos benfeitores. E Deus, quando ele salva a sua alma, deve permitir que um mendigo como você escolha o modo como sua salvação deve ser realizada? Você vai exigir determinadas condições, senão, não condescenderá em ser salvo? É infame semelhante soberba. Tenha vergonha, peço-lhe, tenha vergonha de continuar a se permitir tal coisa. Não continue desejando novas comprovações da veracidade de Deus, na forma de sentimentos e excitações. A palavra de Deus merece que você confie nela. Se você tivesse esses sentimentos, qual seria o valor da evidência deles se os examinasse como homem com mente sã, e não como fanático? Se você se encontrasse com um anjo nesta noite, e ele lhe dissesse que você iria ao céu, você não teria nenhum motivo para acreditar nele, a não ser que crê em Jesus Cristo. Um anjo que lhe oferecesse conforto enquanto você continuasse incrédulo seria um diabo, ainda que ele brilhasse como um anjo da luz. Mas se você crer no Senhor Jesus Cristo e for batizado - a promessa de Deus declara que você está salvo, e para que vai querer a declaração de um anjo? A palavra do Senhor Deus não é suficiente? É necessário o testemunho de uma criatura para tornar a palavra do Senhor digna de crédito? Outros, porém, dizem: Não; mas nos sentiríamos consolados se pudéssemos ter sonhos notáveis. Ora! O que existiria para garantir à alma a sua salvação nas noções vãs e travessas da mente, quando estas estão soltas das rédeas da razão? É possível que algum sonho se cumpra uma vez, por acaso, mas, em noventa por cento das vezes, é disparate. Se boas doutrinas e advertências sábias fossem aplicadas ao nosso coração mediante um sonho, ele não deixaria de receber nossa mais sincera atenção; mas, se a presunção tivesse mil visões para a confirmar, nem por isso seria menos perigosa. Seria uma coisa terrível pendurar a nossa confiança numa coisa tão frágil que é um sonho. Não, não, senhor; você tem a palavra de Deus, e não quer crer nela porque você alega que o sonho o ajudaria e confirmaria a sua confiança, como se Deus não merecesse tanta confiança quanto os seus sonhos! Oh, não seja tão estulto, mas, assim como esse centurião, diga: "Mas dize apenas uma palavra." Meus irmãos, nós devemos aceitar a pura e simples palavra de Deus em Jesus Cristo como a base da nossa fé, posto que não se pode depender de qualquer outro fundamento, nem por um minuto sequer. Você precisa ser sustentado pela promessa dele, e não pelo seu sentimento. Você não consegue consentir nisso? Se fizer assim, você terá paz. Se chegar dessa forma a Deus, verá muitos sinais e muitas maravilhas, dentro em breve, e de tipo melhor do que você já imaginou em sonhos. Sua alegria será como um rio, e sua paz transbordará. Mas, em primeiro lugar, você deve vir a Cristo sem essas outras coisas. Venha, aceite literalmente o que Deus diz, e honre a Cristo ao crer nele sem outra coisa para confirmar o que ele diz, e você descobrirá que a bênção virá a você depois. Esse era um aspecto notável da fé do centurião - ele creu sem exigir um sinal.

V. Em quinto lugar, um aspecto muito notável na fé do centurião era sua convicção de que Cristo podia curar seu empregado de imediato. "Mas dize apenas uma palavra, e o meu servo será curado."

Normalmente, uma luta bem-sucedida contra a enfermidade exige tempo. O cirurgião precisa expulsar dos seus fortes entrincheiramentos o diabo da enfermidade, precisa correr atrás dele enquanto ele foge de uma defesa para outra, e, talvez mesmo assim, ele possa não conseguir deslocar o seu inimigo. É possível que decorram muitos meses cansativos, ou até anos, antes que algumas formas de enfermidade sejam erradicadas. Mas o centurião acreditava que a palavra de Cristo pudesse remover a paralisia, e isso imediatamente. E por que não? A onipotência nada sabe a respeito do impedimento do tempo, nem leva em conta qualquer dos demais impedimentos que estorvam o progresso mortal. Para o Deus eterno, o tempo não é nada; para ele, mil anos são como um dia, e, por outro lado, um dia é como mil anos. A fé que salva firma-se na seguinte verdade: Cristo Jesus, que agora está à direita de Deus, pode, num só momento, salvar a alma. O ladrão moribundo não tinha a idéia de que sua salvação ocuparia um mês. Disse, simplesmente: "Jesus, lembra-te de mim quando entrares no teu Reino", e a resposta foi: "Hoje você estará comigo no paraíso" salvo daquele dia, salvo de imediato. O perdão do pecado não é o resultado de semanas de jejuns, de meses de arrependimento, de anos de mortificação. O olho do pecador olha para Cristo, e o pecado do pecador desapareceu de imediato.

No momento em que crê, o pobre pecador,
E confia no seu Deus crucificado e cheio de amor,
Recebe de imediato o seu perdão,
Mediante o sangue de Cristo a plena salvação!

O novo nascimento da alma, a regeneração da nossa natureza mediante o Espírito Santo, não é uma obra que precise de um período muito longo de tempo. É num só momento que o Espírito de Deus visita o nosso coração e transforma a pedra em carne. Pode parecer que eu esteja falando sem pensar bem, mas não deixo de falar as palavras da verdade ou da sobriedade quando digo que, se o Senhor revelar a plenitude do seu poder, os pecadores sentados na parte inferior dessas galerias ou desse auditório podem ser salvos antes que o relógio marque mais um segundo. Quem poderá refrear o Senhor e dizer o que ele pode ou não pode fazer? Com ele, todas as coisas são possíveis, e acrescentaremos, portanto, que se cada um de vocês se sentisse levado a confiar em Jesus, aquilo que eu disse ser possível, seria literalmente feito; cada um de vocês sairia daqui salvo e dizendo: "Bendito seja o nome do Senhor que me tirou de um poço de destruição, de um atoleiro de lama; pôs os meus pés sobre a rocha e firmou-me num local seguro. Pôs um novo cântico na minha boca, um hino de louvor ao nosso Deus" (Sl 40.2). Bom Senhor, faça isso para que seja louvado o teu nome!

VI. E, de novo: mas um aspecto da maravilha. No decurso do evento inteiro, destacava-se a profunda humildade do centurião, mas essa humildade, em vez de enfraquecer a sua fé, somente a reforçou.

A soberba vai de mãos dadas com a presunção, mas a humildade é a companheira da confiança em Cristo. Aquele que acha que basta pouca graça e poder para salvá-lo, e que ele é, na realidade, melhor do que a maioria, e tão bom como qualquer outro, não tem a mínima possibilidade de crer em Cristo. Pode ter a capacidade de presumir, mas é incapaz de crer. Sem dúvida, a presunção cresceria bem no solo do seu coração, mas somente um coração quebrantado torna-se um coração crente, e um coração com certeza em Cristo precisa ser, antes de tudo, um coração humilde.

O centurião tinha prestado bons serviços aos judeus. Ele amava a nação deles e construíra para eles uma sinagoga. Eles o tinham em alto conceito, porém, ele era modesto em relação a si mesmo. Ele disse: "Senhor, não mereço receber-te debaixo do meu teto", não disse apenas sou indigno da bênção de receber-te em tamanha comunhão contigo a ponto de tu pisares no meu assoalho. O homem estava profundamente humilhado, e só com o espírito humilhado você também pode se tornar crente. Já conheci muitas pessoas que, depois de terem sentido alguma consciência do seu pecado, falaram imediatamente: "Não posso crer em Cristo." Então, você imagina, pois, que se tivesse menos pecado, poderia crer? Não; posso dizer-lhe que não é assim. Se seu senso de pecado for um impedimento à fé, seu senso de sua própria retidão seria uma barreira infinitamente maior. Crer que serei salvo porque não sou pecador não é fé; mas saber que eu sou um dos piores dos pecadores, e muito culpado e muito vil, porém, que coloco em Jesus Cristo a minha confiança - isso é fé. Ao olhar para meus pecados, gosto muito de olhar também para a cruz. Se eu prestei algum serviço a Deus, e se o Espírito Santo me ajudou a realizar algum bem na igreja, dificilmente se trata de fé se digo que, por isso, estou em paz. Ora, isso seria ver, e não crer. Mas quando vejo as minhas imperfeições, e lastimo as minhas loucuras, e coloco minha boca na própria poeira, e então digo: "Por essa causa também sofro, mas não me envergonho, porque sei em quem tenho crido e estou bem certo de que ele é poderoso para guardar o que lhe confiei" (2Ti 1.12) - isto é a fé; e oro a Deus para você a exercer todos os dias. Se meus pecados fossem piores do que realmente são, ou se eu pudesse ter mais profunda apreensão deles, nem por isso eu deixaria de me regozijar que ele possa salvar até às últimas consequências os que por ele se aproximam de Deus, e minha alma não deve demover aquela rocha de confiança. Não imaginem, meus irmãos, que para terem fé vocês precisarão criar a idéia de que haja em vocês alguma coisa boa que possa recomendá-los a Cristo. Vocês estão navegando no rumo totalmente errado, quando sua confiança depende do próprio eu. A fé é você chegar cego a Cristo e crer que ele pode abrir os seus olhos; é chegar até ele pobre, e crer que ele o tornará rico; é chegar a ele como quem não possui nada e aceitar o que ele tem para ser seu para sempre e sempre; é, na realidade, ver a morte inscrita na criatura, e achar a vida em Cristo; é ver a corrupção inscrita na melhor de sua retidão, e a contar como escórias e esterco, para então aceitar a Jesus Cristo como sua sabedoria, sua retidão, sua santificação, sua redenção, e seu tudo.

Confio, portanto, que acabo de expor a natureza da fé, do modo mais singelo que eu saiba falar. No entanto, por mais singela que seja essa declaração, se algum de vocês assim crê, glória será dada a Deus por isso, pois ninguém nunca chegou a crer a não ser que o Espírito Santo o tenha levado a crer. "É possível?", pergunta alguém, "que seja tão simples assim?" Eu gostaria de observar que é justamente a singeleza da fé que a faz parecer difícil. Se a fé fosse mesmo difícil, muitas pessoas estariam tentando alcançá-la; pois ela consiste em nada mais do que "Creia e viva", por isso, os corações orgulhosos não se renderão a ela. É tão singela como os primeiros elementos da ortografia, e, por causa disso, as pessoas não conseguem compreendê-la, porque a soberba delas faz questão de cercá-la de mistério. Os homens fazem questão de parecerem sábios, e por isso fazem para si mesmos um enigma daquilo que uma criança pode entender. O que é necessário para um homem conhecer a Cristo é que seu falso conceito de educação seja removido dele por joeiramento; quero dizer que tudo que ele imagina ser educação seja desmontado, a fim de que ele seja feito uma criança para se sentar diante dos pés de Jesus e confiar em Jesus como uma criança acredita na palavra do seu pai. A maioria entre vocês não precisa ir subindo, mas de ser demolido. Não é tornar-se bom, mas reconhecer que você não é bom, que é a questão principal da qual devem cuidar. Não é ficar melhor na sua própria estima, mas sentir-se totalmente arruinado na sua própria estima, que deixará você pronto para receber a Cristo. É disso que você precisa, e quando você o receber, creio que então virá, e, com boa vontade, tomará posse deste modo bendito e singelo da salvação, apropriado para o mais vil, porém apropriado para o mais moral; adequado, conforme alguém disse certa vez, a pobres mulheres velhas que estão no leito da morte, e igualmente adequado para os mais profundos dos filósofos; adequado para os pobres, adequado para os ricos; adequado para mim, adequado para você. Quem dera que você aceitasse meu Senhor para ser seu alto refúgio. Que meu Senhor e Mestre conceda que ele mesmo se maravilhe diante da fé de vocês, caros amigos; e, embora vocês não tenham tido nenhuma fé antes, que possam agora regozijar-se porque o Senhor visitou vocês, e ajudou vocês a crer no seu nome.

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts with Thumbnails