Home | C. H. Spurgeon | Log out

Venha para o Metropolitan Tabernacle

SpurgeonTv

quarta-feira, 5 de maio de 2010

O Abismo do Sofrimento – C. H. Spurgeon

/ On : 12:25/ SOLA SCRIPTURA - Se você crê somente naquilo que gosta no evangelho e rejeita o que não gosta, não é no Evangelho que você crê,mas, sim, em si mesmo - AGOSTINHO.



Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste? (Salmos 22.1)

Aqui vemos o Salvador nas profundezas de seu desespero. Nenhuma outra ocasião nos mostra a tristeza de Cristo no Calvário; nenhum outro momento, no Calvário, é tão repleto de agonia como o momento em que este clamor de Jesus rasgou os ares — "Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?" Neste momento, a fraqueza física se uniu à profunda tortura mental proveniente da vergonha e da infelicidade pelas quais Ele teve de passar.

Para que a aflição de nosso Senhor terminasse de modo enfático, Ele sofreu a agonia espiritual que excede toda expressão, resultante do abandono da presença de seu Pai. Esta foi a hora mais escura do horror de nosso Senhor. Foi neste momento que Ele desceu ao abismo do sofrimento. Nenhum homem é capaz de penetrar em todo o significado destas palavras.

Às vezes, alguns de nós pensamos que podemos clamar: "Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?" Existem épocas em que o brilho do sorriso de nosso Pai se oculta em nuvens e trevas. Todavia, devemos lembrar que Ele realmente nunca nos abandona — é apenas um abandono aparente. Mas no caso de Cristo, foi um abandono real.

Nós sofremos com um pequeno afastamento do amor de nosso Pai, mas quem calculará a profunda agonia de Jesus quando Deus desviou sua face dEle? Em nosso caso, o clamor geralmente é impulsionado pela incredulidade. Mas, no que diz respeito a Cristo, o abandono foi verdadeiro. Foi a expressão de acontecimento terrível, pois Deus havia realmente virado as costas para seu Filho, por um período de tempo.

Ó alma pobre e angustiada, que uma vez viveu ao sol da face de Deus, mas que agora está em escuridão, lembra que Ele não a abandonou de verdade. Enquanto nas nuvens, Ele é nosso Deus tanto quanto ao brilhar pelo lustre de sua graça. Visto que nos sentimos em agonia quando pensamos que Deus nos abandonou, quão terrível deve ter sido o clamor de nosso Senhor: "Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?"

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts with Thumbnails