Home | C. H. Spurgeon | Log out

Venha para o Metropolitan Tabernacle

SpurgeonTv

terça-feira, 18 de junho de 2013

Não há desculpas para o teu pecado! | C. H. Spurgeon

/ On : 11:13/ SOLA SCRIPTURA - Se você crê somente naquilo que gosta no evangelho e rejeita o que não gosta, não é no Evangelho que você crê,mas, sim, em si mesmo - AGOSTINHO.


“Se eu não viera, nem lhes houvera falado, não teriam pecado, mas agora não têm desculpa do seu pecado” (João 15.22).


Uma capa é cobertura muito frágil para o pecado quando existe um olho que tudo vê contemplando através dela. No Grande Dia da tempestade da Ira de Deus, uma capa será um abrigo muito pobre. Apesar de tudo o homem sempre gostar de um manto. Nos dias de chuva e frio vemos homens recolhidos sobre seus mantos, e ainda que não tenham abrigo e refúgio, se sentem ligeiramente confortáveis com seu vestuário.


O mesmo se dá com vocês, juntos buscarão, caso possam, alguma desculpa para seus pecados, e quando a consciência incomodar, vocês tentarão cicatrizar a ferida com essa desculpa. E até mesmo no Dia do Juízo, quando uma capa será abrigo muito pobre, será melhor que nada. “Mas agora não tem desculpa do seu pecado”. O viajante foi deixado na chuva desprovido de sua capa, exposto a tempestade sem a roupa que um dia lhe serviu de abrigo.“Mas agora não tem desculpa do seu pecado” – descobertos, identificados e desmascarados, encontram-se sem desculpas, sem uma capa que esconda sua iniqüidade. Permitam-me, agora, demonstrar como a pregação do Evangelho, quando fielmente realizada, tira todas as capas do pecado.


Em primeiro lugar, um homem pode se levantar e dizer: “Eu não sabia que estava pecando quando cometi essa e aquela iniqüidade”. Agora, vocês não podem dizer isso. Através da sua Lei tem Deus lhes falado solenemente o que é errado. Ali estão os Dez Mandamentos, e lá está o comentário do nosso Mestre, onde ele tem explicado o Mandamento, dizendo-nos que a velha lei de “não cometerá adultério”, proíbe também todos os pecados do olhar malicioso e lascivo. Se o selvagem comete iniqüidade, há uma capa para ele. Não duvido que sua consciência lhe diga que ele age errado, mas seus livros sagrados ensinam que ele age corretamente, e por isso ele tem essa capa. Se o mulçumano comete luxúria, não duvido que sua consciência o acuse, mas seus livros sagrados lhe inocentam. Mas vocês dizem crer em suas Bíblias, as têm em suas casas, e têm pregadores que as anunciam em todas as suas ruas; quando vocês pecam, transgridem com a proclamação da Lei sobre seus muros, diante de seus olhos – vocês deliberadamente quebram uma Lei bem conhecida, que desceu dos céus e veio até vocês.


Ainda poderão dizer: “Quando pequei não sabia quão grande seria a pena”. Também nisso, através do Evangelho, vocês são deixados sem desculpas. Não lhes disse Jesus Cristo, e lhes diz dia após dia, que aqueles que não o recebem serão lançados nas trevas exteriores, onde haverá pranto e ranger de dentes? Acaso ele não lhes falou “E irão estes para o tormento eterno, mas os justos, para a vida eterna” ?. Não disse Ele que os ímpios serão queimados com fogo que não se extingue? Não lhes disse de um lugar onde o verme não morre e onde o fogo não se apaga? E os ministros do Evangelho não têm deixado de lhes ensinar o mesmo. Vocês pecaram, mesmo sabendo qual seria a perda fazê-lo. Pegaram o copo de veneno, sabendo que não era inofensivo, sabiam que cada gota no copo ardia com a condenação, mesmo assim pegaram o copo e beberam até a última gota. Destruíram suas próprias almas, estando seus olhos bem abertos; caminharam como loucos para a tortura e como o boi ao matadouro; feito um cordeiro vocês lamberam a faca do açougueiro. Estão sem desculpa.



Alguns dentre vocês poderão tentar: “É verdade que ouvi o Evangelho e que sabia que meus atos eram errados, mas eu não sei o que é preciso para ser salvo!”. Há, porventura, ao menos um dentre vocês que possa se valer dessa desculpa? Acredito que não terão a ousadia! “Creia e viverá” é anunciado todos os dias em seus ouvidos. Muitos de vocês que ao longo de dez, vinte, trinta, quarenta ou cinquenta anos têm estado a ouvir o Evangelho, não se atreveriam a dizer: “Eu não sabia o que é o Evangelho!”. Muitos de vocês já o conhecem desde a infância. O nome de Jesus se misturava ao embalo suave das canções de ninar. Beberam do Evangelho sagrado junto com o leite materno, e apesar de tudo, não procuraram Jesus. “Saber é poder!”, dizem os homens. Ai de mim! O conhecimento, se não utilizado, é a Ira, e a Ira ao extremo contra aquele homem que sabendo ainda assim fez o que era errado.

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts with Thumbnails