Home | C. H. Spurgeon | Log out

Venha para o Metropolitan Tabernacle

SpurgeonTv

sábado, 4 de julho de 2015

Como o jovem mantém sua vida pura? | C. H. Spurgeon

/ On : 12:31/ SOLA SCRIPTURA - Se você crê somente naquilo que gosta no evangelho e rejeita o que não gosta, não é no Evangelho que você crê,mas, sim, em si mesmo - AGOSTINHO.

De que maneira poderá o jovem guardar puro seu caminho? (Sl 119.9)

Como poderá ele tornar-se e manter-se santo na prática? Ele não passa de um jovem, cheio de quentes paixões e carente de conhecimento e experiência; como poderá conquistar o certo e conservar o certo? Nunca houve uma pergunta mais importante para qualquer pessoa; nunca haverá um tempo mais oportuno para fazê-la do que no início da vida.


Não é uma tarefa de forma algu­ma fácil para um jovem ver-se no espelho da realidade. Deseja escolher um caminho limpo, sendo ele mesmo limpo, ver seu ca­minho isento de qualquer imundície que porventura surja no futu­ro e encerrar mostrando um curso límpido desde o primeiro passo até o último. Mas, ai de mim!, dirá ele, meu caminho já é impuro pelo pecado atual que já cometi, e eu mesmo possuo em minha própria natureza a tendência para aquilo que contamina. Mas essa é uma questão muito difícil; primeiro, de começar certo; em se­guida, de ser sempre capaz de saber escolher o certo e de pross­guir agindo certo até que a perfeição seja por fim alcançada - se isso é difícil para qualquer pessoa, como um jovem poderá conse­gui-lo? O caminho, ou a vida, de uma pessoa tem que ser purifica­da dos pecados de sua juventude atrás de si, e mantida pura dos pecados que surgirão diante de si: eis a obra; eis a dificuldade.

Nenhuma ambição mais nobre que esta poderá um jovem deparar diante de si, nenhuma para a qual é ele chamado a assegurar uma vocação; porém nenhuma em que encontrará maiores difi­culdades. Entretanto, que ele jamais se esquive do glorioso empre­endimento de viver uma vida pura e graciosa; ao contrário, que ele descubra no caminho todos os obstáculos que precisam ser venci­dos. Tampouco pense ele que já conhece a estrada para uma vitó­ria fácil, nem sonhe que pode guardar-se por sua própria sabedo­ria. Fará bem seguindo o exemplo do salmista, tornando-se um solícito inquiridor, perguntando como poderá purificar seu cami­nho. Que se torne um discípulo prático do santo Deus, o único que pode ensiná-lo como vencer o mundo, a carne e o diabo, esta tríade de corruptores por meio da qual a vida promissora de muitos se torna pervertida. Ele é jovem e inexperiente na estra­da, por isso não se acanhe de frequentemente inquirir sobre o ca­minho de alguém que está pronto e habilitado para instruí-lo no mesmo.


Nosso caminho é um tema que nos preocupa profundamente, e é muitíssimo preferível inquirir sobre ele do que especular acerca de temas misteriosos que antes fascina do que ilumina a mente. Dentre todas as perguntas que um jovem faz, e são muitas, que esta seja a primeira e principal: "De que maneira poderei guardar puro meu caminho?" Esta é uma pergunta sugerida pelo senso comum e acossada pelas ocorrências diárias; mas não deve ser respondida pela razão desamparada; nem, quando respondida, as diretrizes podem ser confirmadas pelo poder humano impotente. Nossa tarefa é formular a pergunta; a Deus cabe fornecer-nos a resposta e capacitar-nos para torná-la concreta.


Observando-o segundo tua palavra (Sl 119.9). Querido jovem, que a Bíblia seja seu mapa, e que você exerça grande vigilância para que seu caminho se amolde a suas diretrizes. Você deve cuidar para que sua vida diária seja pautada pelo estudo de sua Bíblia, e deve estudá-la para que aprenda a precaver-se em sua vida diária. Com o máximo cuidado, uma pessoa ainda poderá extraviar-se, caso seu mapa a conduza equivocadamente; porém, com um bom mapa, ela ainda poderá perder sua estrada, caso esteja desatenta. O ca­minho estreito jamais poderá ser achado por acaso, tampouco uma pessoa descuidosa jamais viverá uma vida santa. Podemos pecar sem refletir; o que temos a fazer é apenas negligenciar a grande salvação e arruinar nossa alma. Obedecer, porém, ao Senhor e andar retamente carece de todo nosso coração, alma e mente. Que os displicentes recordem isso.


Não obstante, a palavra é absolutamente necessária; pois, caso contrário, a prudência se transformará em mórbida ansiedade e a escrupulosidade poderá transformar-se em superstição. Um capitão poderá vigiar de seu tombadilho a noite inteira; mas se nada conhecer da região costeira e não tiver a bordo nenhum piloto apto, com toda sua prudência poderá apressar-se para o naufrá­gio. Não basta querer ser certo; pois a ignorância pode levar-nos a pensar que estamos fazendo o serviço de Deus, quando, na verda­de, o estamos provocando; e o fato de nossa ignorância não rever­terá o caráter de nossa ação, por mais que ela mitigue seu poder criminoso. Se uma pessoa demarcar cuidadosamente o que crê ser uma dose de medicamento útil, ela morrerá se vier a perceber que lançou mão de um frasco errado e que serviu-se de um vene­no mortífero; o fato de fazer isso ignorantemente não alterará o resultado. Ainda assim, um jovem poderá cercar-se de dez mil males ao valer-se cuidadosamente de um critério imponderado e recusar o recebimento da instrução da Palavra de Deus. Ignorância inten­cional por si só equivale a pecado intencional, e o mal advindo daí é injustificado. Que cada pessoa, seja jovem ou idosa, que anseia ser santa, então mantenha em seu coração uma santa vigilância, e mantenha sua santa Bíblia aberta bem diante de seus olhos. Aí ela encontrará assinalada cada curva da estrada, cada lamaçal, cada atoleiro indicado, com a via de chegada desimpedida; e aí, tam­bém, achará luz para suas trevas, conforto para sua exaustão e companhia para sua solidão, de modo que, com seu auxílio, alcan­çará a bênção do primeiro versículo do Salmo, a qual inspirou a solicitação do salmista e despertou seus anseios.


Note a posição que a primeira seção de oitos versículos man­tém para com seu primeiro versículo: "Bem-aventurados os irre­preensíveis em seu caminho", e a segunda seção corre paralela a ele, com a pergunta: "De que maneira poderá o jovem guardar puro seu caminho?" A bem-aventurança que é posta diante de nossos olhos numa promessa condicional deve ser buscada de for­ma prática na forma designada. Diz o Senhor: "Por isso eu serei buscado pela casa de Israel para agir por eles."


Quanto mais depressa nos valemos de uma promessa de Deus, melhor; especialmente quando no raiar do dia nos nutrimos de ânimo, pois disse a Sabedoria: "Aqueles que no alvorecer me buscam, encontrar-me-ão." E lamentável que por um ano, ou mesmo um dia ou uma hora, percamos a bem-aventurança que pertence à santidade.



0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts with Thumbnails